Cuica_logo-dark

Documentário sobre a vida e a obra do poeta popular, trovador-repórter e propagandista Cuíca de Santo Amaro , personagem baiano, controverso e irreverente.

A História do Filme

Cuíca de Santo Amaro produz livros de histórias para noticiar fatos de modo escandaloso, reflexivo e divertido. Os temas são aqueles da condição humana: mortes, sexo, política, carestia da vida.

Obtém informações perigosas – crimes, escândalos sexuais e políticos – anuncia a notícia, adiantando alguns detalhes, e espera para ver a reação dos interessados. Se for procurado em tempo hábil, vende toda a edição para uma só pessoa. Caso contrário, sai pelas ruas mercando os versos. A vendagem é certa.

No filme, a câmera desloca-se por ruas e praças, ladeiras e becos, os mesmos lugares por onde Cuíca costumava circular na velha Bahia, entre 1925 e 1964.

Fragmentos da trajetória de vida do poeta são contados por seus familiares, por pessoas do povo e por intelectuais que o conheceram e viram suas performances em Salvador e no Recôncavo Baiano.

São utilizadas imagens de arquivo sob locução de trechos dos versos de Cuíca, que tratam de questões nacionais e internacionais.


Cuíca de Santo Amaro deixa um legado picante e irônico da vida baiana, versos como vísceras de uma cidade emprenhada de preconceitos e hipocrisia. Sua obra abrangente e variada é como um jornal do povo, o melhor da tradição jornalística da literatura popular.

V Festival do Cinema Latinoamerincano e Caribenho de Margarita (Venezuela)

* * *

Vestival Internacional de Cinema de Arquivo (Rio de Janeiro)

* * *

17º Festival Internacional de Documentários É Tudo Verdade (São Paulo)

16ª Mostra de Cinema de Tiradentes (Minas Gerais)

* * *

III Festival Cachoeira Doc (Bahia)

A Sair


Cuíca será exibido em São Paulo dias 19 e 20 de março over 2 years atrás

O filme documentário de longa metragem Cuíca de Santo Amaro, poeta e trovador que inspirou personagens de Jorge Amado, será exibido na PUC/SP (dia 19, 16h, Auditório da Biblioteca Nadir Kfouri (campus Perdizes) - Rua Ministro de  Godoy, 969 – Térreo - Perdizes) e na UNICAMP (dia 20, 15h, Salão Nobre da Faculdade de Educação).

Depois de exibido em festivais de cinema no Brasil e no exterior e estrear com sucesso de crítica no circuito comercial em Salvador, o filme fez um périplo por universidades, centros de cultura e cinemas de Salvador e 35 localidades do interior da Bahia. 

O circuito nacional do filme dar-se-á em sete capitais brasileiras. Além de exibir o filme, o programa inclui lançamento do DVD com cinco  extras e material pedagógico, lançamento do livro “A Verve de Cuíca" e debate com os realizadores. O DVD será distribuído gratuitamente para escolas, universidades, instituições e grupos culturais locais.

Jorge Amado considerava Cuíca de Santo Amaro o maior trovador popular da Bahia e o incluiu em quatro de suas obras: “Bahia de Todos os Santos”, “A morte e a morte de Quincas Berro D ‘Água”, “Pastores da Noite” e “Tereza Batista Cansada de Guerra”. Além de citar o cordelista nesses livros, Jorge Amado criou um personagem inspirado em Cuíca, o Curió, presente em “Pastores da Noite” e em “A Morte e a morte de Quincas Berro D ‘Água”.

Com o apoio da Secretaria de Cultura da Bahia, até este momento o documentário de longa metragem já foi exibido no Recôncavo (Santo Amaro, Cachoeira, Santo Antônio de Jesus, Camaçari e Cruz das Almas); no Sul e Extremo-Sul da Bahia (Itabuna, Ilhéus, Mutuípe, Valença, Eunápolis, Itamaraju e Santa Cruz de Cabrália); no Sudoeste (Jequié e Vitória da Conquista); na Chapada (Rio de Contas, Lençóis e Itaberaba); Feira de Santana; e Oeste (Barreiras, Bom Jesus da Lapa, Caetité e Gunambi); Centro-Norte da Bahia (Irecê, Jacobina, Senhor do Bonfim, Juazeiro e Paulo Afonso); e mais Euclides da Cunha, Alagoinhas, Conceição do Coité e Serrinha.

O filme

O documentário, dirigido por Joel Almeida e Josias Pires, sintetiza a pesquisa realizada a partir de relatos orais de 50 pessoas que tiveram algum tipo de contato com Cuíca e de cerca 300 folhetos - os livrinhos de histórias, como foram chamados na sua época – e traz imagens de arquivos de Salvador e do Recôncavo. O filme utiliza também recursos de animação, inspirados num encontro do escritor Orígenes Lessa com o trovador repórter, ocorrida no dia 10 de junho de 1953.

Algumas das imagens de época pesquisadas eram inéditas, como trechos filmados sob a coordenação de Alceu Maynard de Araújo, em 1947, encontradas na Cinemateca, SP. O filme valeu-se particularmente dos estudos feitos por Edilene Matos, Mark Curran, de precisas indicações do poeta Carlos Cunha e de todos os que compartilharam suas memórias e sentimentos da época.

Concluído em janeiro de 2012, Cuíca  foi selecionado para o 17o. Festival Internacional de Documentários é Tudo Verdade (02 exibições no Rio de Janeiro e 02 em São Paulo); V Festival do Cine Latino-americano e Caribenho de Margarita (Venezuela); Festival Internacional de Cinema de Arquivo, Arquivo Nacional, RJ; 16a Mostra de Cinema de Tiradentes, MG; 3o. Cachoeira Doc; VIII Cine Futuro (avant-première em Salvador) e projeto Cinema no Telhado, Luanda Angola/Instituto Goethe.

Realizado com o patrocínio de edital do Programa Petrobras Cultural,  o filme teve o projeto de difusão e exibição na Bahia patrocinado pelo Fundo de Cultura do Estado, a partir de edital setorial do audiovisual de 2012 promovido pela Fundação Cultural /Secult.

Cuíca

Cuíca de Santo Amaro  nasceu José Gomes no dia 19 de março de 1907, no bairro da Mouraria, segundo registro civil feito por ele próprio, já aos 50 anos de idade. Trovador maldito da poesia popular do Brasil, personagem controvertida, produz entre 1930 e 1963 cerca de mil títulos de livros de histórias, nome que dá aos folhetos que só depois passaram a ser conhecidos na Bahia como literatura de cordel. Morreu em 23 de janeiro de 1964.

É consagrado como o maior o trovador da Bahia por Jorge Amado, que faz dele  personagem também dos romances Pastores da Noite e A morte e a morte de Quincas Berro D’Água e destaca seu trabalho no livro Bahia de Todos os Santos, guia de ruas e mistérios: "Cuíca de Santo Amaro é uma organização: escreve seus versos, manda imprimi-los, desenha ele mesmo os cartazes de propaganda que conduz sobre os ombros, vende folhetos com os poemas e canta os melhores versos para atrair a freguesia”

Cuíca inspira Dias Gomes a criar o personagem Dedé Cospe-Rima na peça de teatro que, reapresentada pelo cinema, leva Anselmo Duarte a ganhar a Palma de Ouro em Cannes, com o filme "O Pagador de Promessa (1962). No filme, Cuíca é vivido pelo ator Roberto Ferreira, que criou personagem famosa da Bahia de Cuíca, conhecida como Zé Coió. Um ano antes é o próprio Cuíca de Santo Amaro quem faz a abertura e encerra o filme "A Grande Feira" (1961), de Roberto Pires.

Ficha técnica

Direção – Joel de Almeida e Josias Pires

Produção Executiva – Adler Paz, Bau Carvalho e Lula Oliveira

Direção de Arte – Ian Sampaio

Montagem – Bau Carvalho

Direção de Produção – Luciana Freitas e Marise Berta

Direção de Fotografia – Paulo Hermida

Direção Musical – Tuzé de Abreu

Som direto – Rodrigo Alzueta e Napoleão Cunha

2012 – 75 minutos

Leia também:

Cuíca volta para curtir, de Marcos Pierry: http://cadernodecinema.com.br/blog/cuica-volta-pra-curtir/

 Cuíca, o desconstrutor : http://cadernodecinema.com.br/blog/cuica-o-desconstrutor/

O Emblema Cuíca de Santo Amaro, por Raul Moreira / Seminário Magazine  http://cuicadesantoamaro.blogspot.com.br/2013/04/o-emblema-cuica-de-santo-amaro.html

Texto do cineasta Fernando Belens sobre o filme: http://cadernodecinema.com.br/blog/cuica-de-santo-amaro/

Site do filme: http://www.cuicadesantoamaro.com.br/

Página no Facebook: https://www.facebook.com/cuicadesantoamaro

Trailer: http://www.youtube.com/watch?v=dekX4o6UUHI

Veja a presença do filme na busca do google: http://tinyurl.com/qxl9jja

Segue link do trailer do filme
http://www.youtube.com/watch?v=dekX4o6UUHI

Página do filme no Facebook:
https://www.facebook.com/cuicadesantoamaro

Link da reportagem da TV Bahia sobre o filme
http://www.youtube.com/watch?v=0tU5csqLZhg

Link da reportagem do Correio da Bahia sobre o filme:
http://www.ibahia.com/detalhe/noticia/filme-sobre-cuica-de-santo-amaro-tem-estreia-em-salvador-dia-23/?cHash=a4a5aa2ce731edf5f57a8c4e039804d9

Link de reportagem de capa da Revista Muito/ Jornal A Tarde sobre o filme:
https://www.facebook.com/media/set/?set=a.537310969651317.1073741828.431353573580391&type=3 Telefones para contato: Josias Pires (71) 9918 5973 (vivo) / 71 9360 0921 (tim) / 71 3203 6697

Documentário Cuíca de Santo Amaro será exibido em São Paulo dias 19 e 20 de março over 2 years atrás

O filme documentário de longa metragem Cuíca de Santo Amaro, poeta e trovador que inspirou personagens de Jorge Amado, será exibido na PUC/SP (dia 19, 16h, Auditório da Biblioteca Nadir Kfouri (campus Perdizes) - Rua Ministro de  Godoy, 969 – Térreo - Perdizes) e na UNICAMP (dia 20, 15h, Salão Nobre da Faculdade de Educação).

Depois de exibido em festivais de cinema no Brasil e no exterior e estrear com sucesso de crítica no circuito comercial em Salvador, o filme fez um périplo por universidades, centros de cultura e cinemas de Salvador e 35 localidades do interior da Bahia. 

O circuito nacional do filme dar-se-á em sete capitais brasileiras. Além de exibir o filme, o programa inclui lançamento do DVD com cinco  extras e material pedagógico, lançamento do livro “A Verve de Cuíca" e debate com os realizadores. O DVD será distribuído gratuitamente para escolas, universidades, instituições e grupos culturais locais.

Jorge Amado considerava Cuíca de Santo Amaro o maior trovador popular da Bahia e o incluiu em quatro de suas obras: “Bahia de Todos os Santos”, “A morte e a morte de Quincas Berro D ‘Água”, “Pastores da Noite” e “Tereza Batista Cansada de Guerra”. Além de citar o cordelista nesses livros, Jorge Amado criou um personagem inspirado em Cuíca, o Curió, presente em “Pastores da Noite” e em “A Morte e a morte de Quincas Berro D ‘Água”.

Com o apoio da Secretaria de Cultura da Bahia, até este momento o documentário de longa metragem já foi exibido no Recôncavo (Santo Amaro, Cachoeira, Santo Antônio de Jesus, Camaçari e Cruz das Almas); no Sul e Extremo-Sul da Bahia (Itabuna, Ilhéus, Mutuípe, Valença, Eunápolis, Itamaraju e Santa Cruz de Cabrália); no Sudoeste (Jequié e Vitória da Conquista); na Chapada (Rio de Contas, Lençóis e Itaberaba); Feira de Santana; e Oeste (Barreiras, Bom Jesus da Lapa, Caetité e Gunambi); Centro-Norte da Bahia (Irecê, Jacobina, Senhor do Bonfim, Juazeiro e Paulo Afonso); e mais Euclides da Cunha, Alagoinhas, Conceição do Coité e Serrinha.

O filme

O documentário, dirigido por Joel Almeida e Josias Pires, sintetiza a pesquisa realizada a partir de relatos orais de 50 pessoas que tiveram algum tipo de contato com Cuíca e de cerca 300 folhetos - os livrinhos de histórias, como foram chamados na sua época – e traz imagens de arquivos de Salvador e do Recôncavo. O filme utiliza também recursos de animação, inspirados num encontro do escritor Orígenes Lessa com o trovador repórter, ocorrida no dia 10 de junho de 1953.

Algumas das imagens de época pesquisadas eram inéditas, como trechos filmados sob a coordenação de Alceu Maynard de Araújo, em 1947, encontradas na Cinemateca, SP. O filme valeu-se particularmente dos estudos feitos por Edilene Matos, Mark Curran, de precisas indicações do poeta Carlos Cunha e de todos os que compartilharam suas memórias e sentimentos da época.

Concluído em janeiro de 2012, Cuíca  foi selecionado para o 17o. Festival Internacional de Documentários é Tudo Verdade (02 exibições no Rio de Janeiro e 02 em São Paulo); V Festival do Cine Latino-americano e Caribenho de Margarita (Venezuela); Festival Internacional de Cinema de Arquivo, Arquivo Nacional, RJ; 16a Mostra de Cinema de Tiradentes, MG; 3o. Cachoeira Doc; VIII Cine Futuro (avant-première em Salvador) e projeto Cinema no Telhado, Luanda Angola/Instituto Goethe.

Realizado com o patrocínio de edital do Programa Petrobras Cultural,  o filme teve o projeto de difusão e exibição na Bahia patrocinado pelo Fundo de Cultura do Estado, a partir de edital setorial do audiovisual de 2012 promovido pela Fundação Cultural /Secult.

Cuíca

Cuíca de Santo Amaro  nasceu José Gomes no dia 19 de março de 1907, no bairro da Mouraria, segundo registro civil feito por ele próprio, já aos 50 anos de idade. Trovador maldito da poesia popular do Brasil, personagem controvertida, produz entre 1930 e 1963 cerca de mil títulos de livros de histórias, nome que dá aos folhetos que só depois passaram a ser conhecidos na Bahia como literatura de cordel. Morreu em 23 de janeiro de 1964.

É consagrado como o maior o trovador da Bahia por Jorge Amado, que faz dele  personagem também dos romances Pastores da Noite e A morte e a morte de Quincas Berro D’Água e destaca seu trabalho no livro Bahia de Todos os Santos, guia de ruas e mistérios: "Cuíca de Santo Amaro é uma organização: escreve seus versos, manda imprimi-los, desenha ele mesmo os cartazes de propaganda que conduz sobre os ombros, vende folhetos com os poemas e canta os melhores versos para atrair a freguesia”

Cuíca inspira Dias Gomes a criar o personagem Dedé Cospe-Rima na peça de teatro que, reapresentada pelo cinema, leva Anselmo Duarte a ganhar a Palma de Ouro em Cannes, com o filme "O Pagador de Promessa (1962). No filme, Cuíca é vivido pelo ator Roberto Ferreira, que criou personagem famosa da Bahia de Cuíca, conhecida como Zé Coió. Um ano antes é o próprio Cuíca de Santo Amaro quem faz a abertura e encerra o filme "A Grande Feira" (1961), de Roberto Pires.

Ficha técnica

Direção – Joel de Almeida e Josias Pires

Produção Executiva – Adler Paz, Bau Carvalho e Lula Oliveira

Direção de Arte – Ian Sampaio

Montagem – Bau Carvalho

Direção de Produção – Luciana Freitas e Marise Berta

Direção de Fotografia – Paulo Hermida

Direção Musical – Tuzé de Abreu

Som direto – Rodrigo Alzueta e Napoleão Cunha

2012 – 75 minutos

Leia também:

Cuíca volta para curtir, de Marcos Pierry: http://cadernodecinema.com.br/blog/cuica-volta-pra-curtir/

 Cuíca, o desconstrutor : http://cadernodecinema.com.br/blog/cuica-o-desconstrutor/

O Emblema Cuíca de Santo Amaro, por Raul Moreira / Seminário Magazine  http://cuicadesantoamaro.blogspot.com.br/2013/04/o-emblema-cuica-de-santo-amaro.html

Texto do cineasta Fernando Belens sobre o filme: http://cadernodecinema.com.br/blog/cuica-de-santo-amaro/

Site do filme: http://www.cuicadesantoamaro.com.br/

Página no Facebook: https://www.facebook.com/cuicadesantoamaro

Trailer: http://www.youtube.com/watch?v=dekX4o6UUHI

Veja a presença do filme na busca do google: http://tinyurl.com/qxl9jja

Segue link do trailer do filme
http://www.youtube.com/watch?v=dekX4o6UUHI

Página do filme no Facebook:
https://www.facebook.com/cuicadesantoamaro

Link da reportagem da TV Bahia sobre o filme
http://www.youtube.com/watch?v=0tU5csqLZhg

Link da reportagem do Correio da Bahia sobre o filme:
http://www.ibahia.com/detalhe/noticia/filme-sobre-cuica-de-santo-amaro-tem-estreia-em-salvador-dia-23/?cHash=a4a5aa2ce731edf5f57a8c4e039804d9

Link de reportagem de capa da Revista Muito/ Jornal A Tarde sobre o filme:
https://www.facebook.com/media/set/?set=a.537310969651317.1073741828.431353573580391&type=3 Telefones para contato: Josias Pires (71) 9918 5973 (vivo) / 71 9360 0921 (tim) / 71 3203 6697

Por um circuito alternativo de exibição almost 3 years atrás

Por Josias Pires

A recente trajetória do filme Cuíca de Santo Amaro revela perspectivas e impasses da circulação de filmes feitos  na Bahia

Quando o filme documentário de longa metragem Cuíca de Santo Amaro for projetado no auditório da Uneb, em Salvador, no próximo dia 29 de novembro, estará concluída uma jornada de 157 exibições em 37 cidades e povoados de todas as regiões da Bahia, iniciada em 15 de agosto no Teatro Dona Canô,  em Santo Amaro da Purificação. Cuíca agora se prepara para percorrer outras capitais.

O périplo inicial na Bahia revelou um cenário previsível e outro surpreendente. Eram esperadas a dificuldade e falta de estrutura de projeção (imagem e som) e, especialmente, o pouco interesse pelo filme no circuito comercial. Mas foi surpreendente a mobilização nas universidades e escolas de ensino médio. A trajetória do filme no circuito alternativo revela a existência de um público potencial, atraído pela possibilidade de tomar contato com a produção cultural e interagir com os realizadores.

Cuíca de Santo Amaro desbravou um caminho. Comprovou ser possível a montagem de circuito alternativo de exibição de filmes com presença em todas as regiões da Bahia. Mas ainda é imprescindível a melhoria da qualidade técnica dos equipamentos de projeção de imagem e som. Com exceção dos centros de cultura do Estado e do auditório da UFRB/Cachoeira, os demais espaços funcionam com equipamentos que ainda não são os mais adequados para a exibição. Tal carência poderá ser tranquilamente superada pela união de esforços entre as secretarias de educação e cultura do Estado. É um investimento baixo, mas com um expressivo retorno cultural e educacional, que pode contribuir para a criação de referências culturais e na formação de um público qualificado.

Aprovado no Edital Setorial do Audiovisual 2012, o projeto de exibição e circulação do filme Cuíca de Santo Amaro previa a exibição do documentário para um público médio de 50 pessoas. As sessões em universidades e centros de cultura alcançaram público médio de 100 pessoas. Nos cinemas de Salvador foram realizadas 116 sessões, em três salas, durante cinco semanas (44 sessões a mais do que o previsto). No interior, chegou a 36 localidades, sete a mais do previsto, com 41 sessões  para mais de 4 mil pessoas, inclusive com debates depois da exibição. Nestes debates foram discutidas questões como memória social, identidade, comunicação e ética na imprensa. Notícias do filme reverberaram para o público alcançado por meio de entrevistas em rádios, tevês, jornais e sites.

Para obter este resultado, a principal estratégia de mobilização foi atrair o interesse de professores e estudantes de ensino médio e universitários.  Este “recorte” do público seria fundamental para garantir plateias para o filme, na medida em que a comunicação geral através de emissoras de rádio, tv e jornais e redes sociais virtuais, apesar de importante para a ampla difusão de notícias, é incapaz, por si só, de levar as pessoas aos locais de exibição. Além disso, o convite continha o “trunfo”  de poder doar para os professores cópias do DVD do filme, com 04 Extras e um encarte com sugestões para o uso do material em salas de aula.

A plateia foi conquistada com uma “agressiva” forma de mobilização, empreendendo um corpo-a-corpo vigoroso, fazendo contatos com diretores e professores de unidades de ensino e, em seguida, indo diretamente às escolas e salas de aula convidando docentes e discentes para irem ver o filme. Esta estratégia, até o momento, tem se revelado auspiciosa.

Entretanto, Cuíca não obteve o mesmo sucesso no circuito comercial. Apesar do filme ter ficado em cartaz durante cinco semanas nos cinemas de Salvador o número de pessoas que pagou ingresso ficou abaixo de mil. A única cidade do interior em que foi exibido em cinema, ficou apenas três dias. O exibidor recusou-se a manter o filme em cartaz, tendo em vista que a resposta do público foi pífia. Passou longe da cabeça dos poucos frequentadores de filmes daquela cidade trocarem O Ataque e Círculo de Fogo – duas películas de ação norte-americanas que estavam em cartaz naquele momento – pelo tal Cuíca de Santo Amaro. O desinteresse do público levou o proprietário das salas do Extremo Sul  a cancelar as exibições previstas na outras duas cidades da região.

Mas  a boa recepção de Cuíca nas Universidades, escolas e centros de cultura mostrou que é possível, sim, conquistar para o cinema brasileiro o público jovem, que hoje não frequenta as salas comerciais, são descapitalizados financeira e simbolicamente, público despossuído de referencias culturais oriundas do mundo letrado, porém disponível para receber políticas públicas articuladas de educação, arte, cultura, ciência e comunicação. Evidentemente este público só irá ao cinema se houver investimento permanente e persistente na sua formação educativa-cultural, que seja capaz de elevar sua qualidade de vida e de renda.

A execução do projeto de exibição do Cuíca de Santo Amaro no interior da Bahia teve o apoio complementar de algumas prefeituras municipais e universidades. Este apoio gerou economias que, somadas à redução de custos com a mudança no sistema de exibição, possibilitaram a proposta de aditamento do prazo de conclusão do projeto com a ampliação do circuito de exibição para outras capitais brasileiras. Ou seja, além de cumprir e superar as metas iniciais, o projeto pode, sem recursos financeiros adicionais, alcançar um circuito de exibição nacional.

A exibição e difusão do Cuíca de Santo Amaro em um conjunto de capitais brasileiras é parte fundamental deste processo de articulação para a montagem de circuitos alternativos de exibição. Essa incursão do filme em patamar nacional contribuirá para a consolidação e ampliação de uso do Circuito Alternativo de filmes brasileiros, a partir de contatos com pontos de exibição em centros de cultura e de educação, teatros, escolas e espaços diversos da Bahia e de vários estados do país.

- Artigo escrito com a colaboração do jornalista Marcus Gusmão.

Publicado no Cadernos de Cinema.
Clique no link para ver:
http://cadernodecinema.com.br/blog/por-um-circuito-alternativo/

Acompanhe as últimas pelo Facebook.

A Personagem do Filme


O poeta mais temido da Bahia

Trovador maldito da poesia popular do Brasil, personagem controvertida, produz entre 1930 e 1963 cerca de mil títulos de livrosde histórias, nome que dá aos folhetos que só depois passaram a ser conhecidos na Bahia como literatura de cordel.

Inspira Jorge Amado e Dias Gomes, que fazem de Cuíca personagem de quatro romances e da peça de teatro que, reapresentada pelo cinema, leva Anselmo Duarte a ganhar a Palma de Ouro em Cannes, com o filme "O Pagador de Promessa (1962). Na mesma época Cuíca de Santo Amaro faz a abertura do filme "A Grande Feira" (1961), de Roberto Pires.

É o defensor do povo contra os marreteiros e também o diabo das encruzilhadas, dos mercados e das feiras livres, das festas e das frestas, personagem dos avessos e das margens, dos temas proibidos, picarescos, obscenos, malditos. Neste figurino ele aparece em Pastores da Noite e A morte e a morte de Quincas Berro

D’Água e na peça O Pagador de Promessas, de Dias Gomes, adaptada para o cinema por Anselmo Duarte.

Faz propaganda comercial em portas de lojas. É histrião e usa métodos não convencionais para a coleta de notícias que usa na confecção de versos.

Encarna personagem desabusada, que escreve, publica e vende nas ruas folhetos de protestos em plena II Guerra, reportando com humor a carestia da vida, demonizando Hitler, Mussolini e Plínio Salgado, elogiando Getúlio Vargas e Luís Carlos Prestes – apesar de posteriormente publicar

folheto em favor da candidatura do camisa-verde e demonizar Prestes. Muitas performances fez ao lado de cartazes expostos nas ruas com frases e desenhos sobre os temas dos folhetos, ilustrados pelo amigo Sinézio Alves.

Em 1945 Jorge Amado o anuncia como "O Trovador da Bahia". Em 46, a fama de Cuíca estende-se para todo o país, através da publicação de fotografias de Pierre Verger e de textos de Odorico Tavares e Jorge Amado na revista O Cruzeiro.

Durante duas décadas Cuíca de Santo Amaro atenta contra o pudor e brada contra a hipocrisia, revela em praça pública segredos de alcova e trapaças de ricos marreteiros. “Comigo não tem bronca”, garante. É a versão popular do boca de brasa, o Gregório de Mattos sem gramática. Poeta mais temido da Bahia é o defensor do povo, a voz do escândalo; porém sua poesia e atuação, às vezes, sabe também louvar poderosos, sobretudo quando se trata daquilo que chama de “matéria paga”. É um herói e um anti-herói. O arauto. Anunciador. Anjo torto, da boca torta, poeta livre. O maior comunicador que a Bahia já teve.

I

I

Era imenso o galinheiro
Estava mesmo lotado
Tudo de camisa verde
Era um quadro gozado 
Porém só tinha um galo 
Era o Plínio Salgado.

Porém o galinheiro
Muito tempo não durou 
Quando foi um belo dia
Getúlio Vargas cismou 
Agarrou logo o galinheiro
E o rabo logo cortou.

 

II

II

Nunca disse a ninguém
Que eu era Getulista
Nem também afirmei 
Que eu era Queremista
Todos sabem muito bem 
Que eu sou propagandista.

III

III

Nessa história interessante 
Você pode acreditar 
Conheci uma fulana 
Pois muito deu o que falar 
Pois a mesma só levava
A vida a jogar bilhar.

Ela pegou no taco 
Ele pegou na bola 
Ela se espichou 
Como se fosse mola 
Com o taco na mão 
Dizia, lá vai viola.

 

IV

IV

Como não sou criança
Para ninguém me enganar
O livro anunciado
Que mandaram me agüentar
Por falta de palavra
Resolvi a publicar.
Esta minha atitude
Eu conto aos amigos meus
Um parente do monstro
Na certa se doeu
E uma certa noite
Lá em casa apareceu.

Sim, caro leitor
Chegou ele apavorado
E me disse, Seu Cuíca
Poupe o degenerado
Eu disse... cinco mil
Para não ser divulgado.

 

V

V

O Cuíca de Santo Amaro
Que de fato é o tal 
Abre o grande filme
Ao povo da capital 
Pois o mesmo é, leitores
Convidado especial.

De fraque e cartola
Parecendo um doutor
Cuíca de Santo Amaro 
Renomado trovador 
Faz sorrir a valer
Qualquer espectador.

 

Atenção!
A produção do filme

As filmagens de Cuíca de Santo Amaro foram realizadas entre abril de 2008 e janeiro de 2011 na cidade de Salvador e na região do Recôncavo da Bahia. A finalização estendeu-se durante todo o ano de 2011, envolvendo uma equipe técnica formada por reconhecidos profissionais do cinema brasileiro.


Foram pesquisados os acervos da Fundação Pierre Verger, Biblioteca Mário de Andrade, Fundação Casa de Jorge Amado, Instituto Lina Bo Bardi, Academia de Letras da Bahia, Biblioteca Central dos Barris, Irdeb, entre outros.

Prod-01
Pelourinho, 2009.

Equipe

Roteiro e Direção





Produção















Produção Executiva







Direção de Fotografia



Direção de Arte



Direção Musical



Direção de Produção





Som Direto





Montagem



Voz de Cuíca de Santo Amaro







Administração

Contabilidade







Pesquisa de Jornais e Audiovisuais



Colaboração na Pesquisa

Produção de Imagens de Arquivo







Câmeras Adicionais









Stead Cam

Som Direto Adicional

Assistência de Direção



Assistência de Produção Executiva



Assistência de Produção



Assistência de Câmera



Assistência de Som Direto



Assistência de Montagem





Still



Estagiários











Música Original e Concepção Musical

Produção Musical

Realização







Gravação, programação e efeitos





Flauta, flautim, apitos , piston cretino,

misturas de músicas pré-gravadas

efeitos, voz e assovio

Violões





Fagote

Trompete e Corneta

Pandeiro, berimbau, "onças" e percussão

Cuícas e chocalho









Animações

Consultor Direção de Arte

Animações de Fotos e Folhetos

Colaboradores nas Ilustrações

























































Edição de Som

Mixagem



Print Master

Técnico Print Master

Consultor Dolby



Finalização

Diretor Geral

Gerente Comercial

Atendimento





Gerente de Laboratório

Gerente de Color Grading

Gerente de Pós Produção

Coordenação de Finalização

Pauta



Colorista

Assistentes de Color Grading



Engenharia

Central Técnica



Final Cut

Smoke



Transfer Tape to Film

Marcador de Luz











Assessoria Direitos Autorais
Joel De Almeida

Josias Pires



Adler Paz

Alexandre Basso

Bau Carvalho

João Rodrigo Mattos

Lula Oliveira

Marcos Povoas





Adler Paz

Bau Carvalho

Lula Oliveira



Paulo Hermida



Ian Sampaio



Tuzé De Abreu



Luciana Freitas

Marise Berta



Rodrigo Alzueta

Napoleão Cunha



Bau Carvalho



Gil Teixeira







Marcia Cardim

Harnoel Lier







Suzana Alice

Claude Santos

Fernanda Capibaribe

João Rodrigo Mattos







Alexandre Basso

Cleber Zabielli

Hamilton Oliveira

Mateus Damasceno

Pedro Semanovischi

Paulo Hermida

Fabio Marc

Claude Santos

Mateus Damasceno

Daniela Dantas

Eliana Mendes

Dedeco Macedo

Patrícia Bessa

Jero Soofer

Petrus Pires

Tiago Mendes

Weider Régis

Ilo Alves

Matheus Viana

Tiago Baiano

Davi Caires

Lúcio Mendes

Bruno Brito

Rafael Tana









Tuzé De Abreu

Marcelo Seco

Tuzé De Abreu

Gil Camara

Márcio Mello

Marcelo Seco

Márcio Mello

Marcelo Seco

Gil Camara



Tuzé De Abreu

Gil Camara

Juninho Costa

Gereba

Cláudia Salles

Joatan Nascimento

Mamá



Giba Conceição









Ian Sampaio

Enéas Guerra

Bau Carvalho

André Leal

Athos Sampaio

Bruno Souza

Carlo Medici

Carol Gonçalo

Chiquinho Beraldo

Daniel Bruson

Daniel Makino

Danilo Enoki

Enéas Guerra

Estudio Ilustract

Fabio Biofa

Felipe Jornada

Flavio De Paula

Ian Sampaio

Kin Guerra

Leandro Franci

Marcita Leite

Nemo Sampaio

Rafael Aflalo

Rafael Araújo

Raquel Pinheiro

Roberto Sakaki

Thiago Pinho

Thomate

Vitor Cervi









Marcos Povoas

Damião Lopes



Ctav

Damião Lopes

Carlos B. Klachquin, Abc



Cinecolor Digital

David Trejo

Cacá De Carvalho

Andrea Nero

Carol Abreu

Renata Santos

Jony Sugo

Fernando Lui Latorre

Zeca Daniel

Camila Dipold

Nilma Gomes

Danielle Cavalier

Adonias Dantas

David Silva

João Moreira

Thiago Cabral

Rogério Santos

Thiago Leoni

Clayton Vianna

Marcelo Jamiuk Cois

Mário Cassiano

Uillian Mendes

Jorge Yokoyama











Rita


×

OS DIRETORES


Josias-pires

Josias Pires ( ver filmografia )

Jornalista e cineasta. Diretor da série de documentários da TVE-Bahia "Bahia Singular e Plural", realizando atividades de produtor, pesquisador, roteirista e diretor de TV (junho 1998/ fevereiro 2004) dos seguintes documentários televisivos de 30 minutos, que registram festas, folguedos e rituais populares, veiculados para todo o país pela TV Cultura.

Joel

Joel de Almeida ( ver filmografia )


Historiador e cineasta. É um dos principais documentarista baianos na atualidade. Já realizou cercade 20 documentários desde a década de 80, quando iniciou sua trajetória profissional nocinema.

Filmografia de
Josias Pires
  • - As Burrinhas da Bahia (1999)
  • - Ternos e Folias de Reis (1999)
  • - Folias de Negros (1999)
  • - Mastros Sagrados e Profanos (2000)
  • - Caretas e Zambiapunga (2000)
  • - Chegança de Mouros (2000)
  • - Lutas de Cristãos e Mouros (2000)
  • - Caboclos da Festa do Divino (2000)
  • - Cantos de Trabalho (2001)
  • - Marujada (2001)
  • - Bumba-meu-boi (2001)
  • - Índios do Sertão (2002)
  • - Dança de São Gonçalo (2002)
  • - Reisado Zé de Vale (2002)
  • - Festa de São Roque (2003)
  • - Cosme e Damião – Os Santos Gêmeos (2003)
  • - Pesquisador e co-roteirista do documentário da TVE-Bahia "Quixabeira – da roça à indústria cultural" (1998).
×
Filmografia de
Joel de Almeida
  • 1994/98 – Realização do episódio PENITÊNCIA, integrante do longa metragem OS SETE SACRAMENTOS DE CANUDOS, produzido pela ZDF Canal 2 de Televisão da Alemanha. Prêmio de Melhor Vídeo e Melhor Direção no VII Cine Ceará; Melhor Vídeo do Festival dos Festivais no III Festival de Curitiba; Melhor Direção no III Vídeo Terra de Brasília; Prêmio Quanta de Melhor Produção Baiana na XXV Jornada Internacional da Cinema e Vídeo da Bahia; Menção Honrosa no Mostra do Filme Livre 2005.
  • 1999 – PRETO NO BRANCO, vídeo documentário. O vídeo ganhou Menção Honrosa no Quarto Cine-Vídeo de Curitiba / PR; Melhor vídeo documentário e melhor vídeo nacional no XXIII Guarnicê de Cine-Vídeo do Maranhão.
  • 2001 – RESISTÊNCIA DO SONHO, vídeo com 25 minutos. Ganhador do prêmio de melhor produção baiana na XXVIII Jornada Internacional de Cinema e Vídeo da Bahia. %li - Mastros Sagrados e Profanos (2000)
  • 2002 – CALUMBIS, PÍFANOS E ZABUMBAS, vídeo documentário com 25 minutos de duração, resultado de edital promovido e patrocinado pela Secretaria de Cultura e Turismo do Estado da Bahia.
  • 2003 – HANSEN BAHIA, curta metragem, 35mm, resultado da terceira seleção de projetos para a produção de curta metragem, patrocinado pela PETROBRAS. Prêmios Quanta e Aruanda, na XXX Jornada Internacional de cinema de Salvador; Menção honrosa e Troféu APCNN (Associação dos Profissionais em Cinema no Norte e Nordeste), no 14º Cine Ceará; Menção Honrosa no Primeiro Festival de Cinema de Belém-Pará.
  • 2003 – PENITENTES DO MÉDIO SÃO FRANCISCO, vídeo documentário, média metragem. Resultado do edital promovido pela Secretaria do Estado da Bahia em 2004.
  • 2007 – XISTO BAHIA – ISTO É BOM, curta metragem, ficção, 35 mm. O projeto é resultado do edital de 2005/06, promovido pela Secretaria de Cultura e Turismo do Estado da Bahia (em fase de produção).
×
Baixar

Clipping

§ 358 kb §

A DocDoma Filmes nasceu do espírito empreendedor de um grupo de jovens profissionais, movidos pelo interesse no desenvolvimento do potencial audiovisual do Brasil. É uma produtora premiada de cinema, vídeo e conteúdos para TV.

A DocDoma tem a missão de acreditar no valor técnico e criativo do mercado audiovisual produzido no Brasil e se propor a desenvolvê-lo de dentro para fora, desenvolvendo projetos marcados pelos valores da cultura regional, porém com um apelo universal, tornando-se assim uma referência de qualidade e competência técnica e artística.

Os seus filmes, juntos, obtiveram mais de 30 prêmios em festivais nacionais e internacionais.


Contato


Rua Haeckel José de Almeida 177,
Sala 26, Jaguaribe
Salvador Bahia 41613-100
×